Goiânia, 07 de novembro de 2005.

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM HUMANIZADA AO RECÉM-NASCIDO DE ALTO RISCO

Herica Duarte Dias

Maria Rita Rodrigues Vieira

A Unidade de Terapia Intensiva Neonatal é uma unidade que dá suporte necessário ao RN que inspira maior atenção, local de conservação e recuperação do seu bem estar e de garantia de sobrevida; para isso a equipe de enfermagem deve assisti-lo respeitando seu desenvolvimento e aspectos humanos. Desta maneira este estudo tem por objetivo verificar como deve ser efetuada a assistência humanizada ao recém-nascido de alto risco pela equipe de enfermagem. Utilizando-se o método de pesquisa bibliográfica, sobre definição e realização do cuidado humanizado na assistência de enfermagem dentro da U. T. I. Neonatal, enfocando o recém-nascido de alto risco, tendo por base seu desenvolvimento neuropsicomotor. Para o levantamento bibliográfico, foi realizado busca manual em um período de 2 meses no acervo das Bibliotecas da FAMERP e UNICAMP; via acesso Internet, na base de dados LILACS (BIREME) e SCIELO. Após, realizado leitura e fichamento dos assuntos principais, para posterior análise e registro. Os textos literários utilizados compreenderam periódicos, artigos, capítulos de livros, normas do Ministério da Saúde, todos de origem nacional, no período de 1984 a 2004. Os resultados nos apontam que para esta assistência humanizada, tendo como base o bom desenvolvimento, faz-se necessário a atenção nos aspectos da intervenção do meio ambiente sobre o RN. Sendo importante mantê-lo harmonioso, alegre e agradável, evitando superestimulação e estresse. Proporcionando adequado espaço e respeitando o sistema sensorial do RN, ou seja, o tato, audição, olfato e a visão. A equipe deve estar atenta para refazer, estimular e manter o vínculo mãe-filho-pai, facilitando o acesso dos pais às informações e ao contato direto com o filho. Principalmente estar disposta a ouvir, orientar, compreender e aceitar dificuldades que se apresentem. A realização de procedimentos de enfermagem de forma humanizada mantém o RN mais tempo em estado de repouso e diminui o estresse causado por procedimentos dolorosos, conseqüentemente diminuindo o "gasto energético". A equipe de saúde deve interagir de tal forma a centralizar os esforços no bem estar de cada criança. Conclui-se que a assistência humanizada é a forma mais completa e funcional para seu desenvolvimento neuropsicomotor e para restabelecimento da saúde.

Correspondência para: Herica Duarte Dias, e-mail: hericaddias@bol.com.br