Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

15/02 – Dia Internacional do Câncer na Infância

  • Publicado: Domingo, 14 de Fevereiro de 2021, 21h57
  • Acessos: 702

No dia 15 de fevereiro a comunidade global celebra o Dia Internacional do Câncer Infantil com uma campanha colaborativa para aumentar a conscientização sobre o câncer infantil e expressar apoio às crianças e adolescentes com câncer, os sobreviventes da doença e suas famílias.

O câncer é a principal causa de morte de crianças e adolescentes em todo o mundo. A cada ano, mais de 400.000 crianças são diagnosticadas com câncer. Na região das Américas, a estimativa foi de 32.065 novos casos de câncer em 2020 em crianças de 0 a 14 anos; deles, 20.855 casos foram na América Latina e no Caribe.

Crianças com câncer que vivem em países de renda baixa e média enfrentam injustiças inaceitáveis ​​na detecção precoce, no diagnóstico e no acesso a tratamento de qualidade e a cuidados paliativos. Os resultados inferiores inferiores atingidos por essas crianças são uma ameaça à coesão social, à prosperidade econômica e ao cumprimento das metas globais incluídas na Agenda 2030 das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável. 

A Iniciativa Global para o Câncer Infantil da Organização Mundial da Saúde (OMS) visa melhorar os resultados para crianças com câncer em todo o mundo. O objetivo é dar a todas as crianças com câncer a melhor chance de sobreviver, de viver uma vida plena e abundante e de viver e morrer sem sofrimento. Trabalhando além das fronteiras, setores e disciplinas, podemos criar um futuro melhor para as crianças com câncer.


Assim como nos países desenvolvidos, no Brasil, o câncer já representa a primeira causa de morte (8% do total) por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos.

Nas últimas quatro décadas, o progresso no tratamento do câncer na infância e na adolescência foi extremamente significativo. Hoje, em torno de 80% das crianças e adolescentes acometidos pela doença podem ser curados, se diagnosticados precocemente e tratados em centros especializados. A maioria deles terá boa qualidade de vida após o tratamento adequado.

O câncer infantojuvenil corresponde a um grupo de várias doenças que têm em comum a proliferação descontrolada de células anormais e que pode ocorrer em qualquer local do organismo. Diferentemente do câncer do adulto, o câncer infantojuvenil geralmente afeta as células do sistema sanguíneo e os tecidos de sustentação. Por serem predominantemente de natureza embrionária, tumores na criança e no adolescente são constituídos de células indiferenciadas, o que, geralmente, proporciona melhor resposta aos tratamentos atuais.

Os tumores mais frequentes na infância e na adolescência são as leucemias (que afetam os glóbulos brancos), os que atingem o sistema nervoso central e os linfomas (sistema linfático).

Também acometem crianças e adolescentes o neuroblastoma (tumor de células do sistema nervoso periférico, frequentemente de localização abdominal), tumor de Wilms (tipo de tumor renal), retinoblastoma (afeta a retina, fundo do olho), tumor germinativo (das células que originam os ovários e os testículos), osteossarcoma (tumor ósseo) e sarcomas (tumores de partes moles).

Os pais e/ou responsáveis devem estar alertas às queixas das crianças e, ao sinal de alguma anormalidade, levá-los para avaliação de um profissional de saúde.

O câncer em adultos está ligado ao envelhecimento, ao tabagismo, ao consumo de álcool, entre outros riscos de exposição, já o câncer na infância não tem relação com fatores ambientais e de estilo de vida. Por esse motivo, é muito importante o diagnóstico precoce para o sucesso do tratamento. Atenção a alguns sinais e sintomas, como:

- Perda de peso contínua e inexplicável;
- Dores de cabeça com vômito de manhã;
- Aumento do inchaço ou dor persistente nos ossos ou articulações;
- Protuberância ou massa no abdômen, pescoço ou qualquer outro local;
- Desenvolvimento de uma aparência esbranquiçada na pupila do olho ou mudanças repentinas na visão;
- Febres recorrentes não causadas por infecções;
- Hematomas excessivos ou sangramento, geralmente repentinos;
- Palidez perceptível ou cansaço prolongado.


Fontes:

A. C. Camargo Cancer Center
Instituto Nacional de Câncer (INCA)
Instituto Nacional de Câncer (INCA): câncer da criança, sinais de alerta
Organização Panamericana de Saúde

registrado em:
Fim do conteúdo da página