Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Dicas em Saúde > Incontinência urinária
Início do conteúdo da página

Choque anafilático

Publicado: Sexta, 20 de Fevereiro de 2015, 16h08 | Acessos: 22258

O que é:

É a forma mais grave de reação de hipersensibilidade (alergia), desencadeada por diversos agentes como drogas, alimentos e contrastes radiológicos. Os sinais e sintomas podem ter início após segundos à exposição ao agente ou até uma hora depois. A avaliação e o tratamento imediatos são fundamentais para evitar a morte.

Principais causas:

- venenos: abelhas, marimbondos, vespas, etc;
- medicamentos: alguns antibióticos, como a penicilina, alguns antiinflamatórios, anestésicos, contrastes contendo iodo, insulina, entre outros;
- alimentos: camarão, mariscos, frutos do mar, amendoim, dentre outros;
- latex: derivados da borracha, como luvas.

Sintomas:

- sensação de desmaio;
- pulso rápido;
- dificuldade de respiração, incluindo chiados no peito, tosse;
- náusea e vômito;
- dor no estômago;
- inchaço nos lábios, língua ou garganta;
- placas altas e com coceira na pele (urticária);
- pele pálida, fria e úmida;
- tontura, confusão mental, perda da consciência;
- parada cardíaca.

Tratamento:

O tratamento do choque anafilático deve ser iniciado com rapidez nos serviços de saúde de urgência e emergência. É importante saber que, apesar de ser uma situação de emergência, é controlável e reversível desde que diagnosticada e tratada a tempo. O esclarecimento e a correta orientação do paciente e de seus familiares, bem como a prevenção, constituem o melhor tratamento da anafilaxia, reduzindo sua mortalidade.

Prevenção:

A principal medida para prevenir a anafilaxia é bloquear o contato com os elementos que podem desencadear a reação alérgica, como alimentos, medicamentos, produtos químicos ou insetos.

Se você já teve uma reação alérgica grave, poderá:

- solicitar a seu médico para prescrever um "kit” de tratamento do choque e aprender a usá-lo, levando-o sempre consigo;
- preparar-se para aplicar em si mesmo uma injeção em caso de emergência. Pense nessa injeção como algo que pode mantê-lo vivo até que possa ter um atendimento médico;
- usar um bracelete ou colar que informe sobre sua alergia, dizendo o que fazer em caso de emergência. Informar seus amigos e colegas de trabalho sobre esses procedimentos.

 

IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo.

Dica elaborada em agosto de 2.014.

Fontes:

Associação Brasileira de Alergia e Imunologia – ASBAI
Revista da Associação Médica Brasileira

registrado em:
Fim do conteúdo da página