Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2012 > IS nº 01 > RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO
Início do conteúdo da página

RECÉM-NASCIDO DE BAIXO PESO

Publicado: Terça, 12 de Maio de 2015, 17h43 | Acessos: 1650

ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE; ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

019
BUCCINI, Gabriela dos Santos; SANCHES, Maria Teresa Cera; NOGUEIRA-MARTINS, Maria Cezira Fantini; BONAMIGO, Andréa Wander. Acompanhamento de recém-nascidos de baixo peso pela atenção básica na perspectiva das Equipes de Saúde da Família. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 11, n. 3, p. 239-247, jul./set. 2011. Disponível em Scielo

OBJETIVOS: conhecer as percepções e práticas das Equipes de Saúde da Família (ESF) sobre o acompanhamento dos Recém-Nascidos de Baixo Peso (RNBP) pela Atenção Básica (AB). MÉTODO: estudo qualitativo do tipo estudo de caso, no qual se realizaram grupos focais com ESF de uma região periférica do município de São Paulo. O material obtido foi submetido à análise temática para identificação de núcleos de sentido, dos quais emergiram os eixos temáticos centrais. RESULTADOS: identificaram-se três eixos temáticos centrais: Pré-natal, Acompanhamento longitudinal dos RNBP (clínica ampliada, amamentação e atenção à família) e Educação Permanente. Considerou-se o pré-natal o momento de construção ou fortalecimento do vínculo entre ESF e gestante, entretanto observaram-se entraves para execução de um processo de cuidado integral e longitudinal que perpassa o seguimento dos RNBP. Evidenciaram-se limitações no acompanhamento longitudinal perante a dificuldade das ESF em coordenar e articular a rede de cuidados; executar protocolos e diretrizes nacionais; manejar questões do cotidiano e da dinâmica familiar; estabelecer e efetuar planos terapêuticos longitudinais. Destacou-se, o papel da gestão na articulação de um projeto de educação permanente. CONCLUSÕES: mediante as percepções e práticas das ESF os RNBP e suas famílias ainda não recebem um atendimento integral na AB como proposto pelas diretrizes nacionais de atenção ao bebê de risco.

Fim do conteúdo da página