Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

Publicado: Quarta, 13 de Maio de 2015, 16h46 | Acessos: 1553

TRABALHO EM SAÚDE
SAÚDE DA FAMÍLIA

094
QUEIROS, Agleildes Arichele Leal de; LIMA, Luci Praciano. A institucionalização do trabalho do agente comunitário de saúde. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 257-281, jul./out. 2012. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/tes/v10n2/05.pdf

O objetivo desta pesquisa é analisar a prática social do trabalho do agente comunitário de saúde (ACS) no Recife, Pernambuco, Brasil. Para tanto, adotou-se uma abordagem qualitativa, cuja ferramenta teórico-metodológica está alicerçada no materialismo histórico e dialético. O ACS é singular na sua conformação, pois tem no seu contexto de trabalho e de moradia um importante recorte de classe social. Apesar da institucionalização do trabalho do ACS, ele mantém na sua prática referências forjadas na sua atuação popular e comunitária. Destacamos que a institucionalização do trabalho do ACS, por si só, é um processo contraditório e conflituoso do ponto de vista da política institucional, já que a prática desenvolvida por ele incorpora saberes e práticas populares que podem gerar tensões. Ao mesmo tempo, é importante lembrar que o território onde vive e atua o ACS exerce influência na produção do seu trabalho.

 

TUBERCULOSE
PREVENÇÃO E CONTROLE

095
CRISPIM, Juliane de Almeida et al. Agente Comunitário de Saúde no controle da tuberculose na Atenção Primária à Saúde. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 25, n. 5, p. 721-727, 2012. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n5/aop2312.pdf

OBJETIVO:
Avaliar o desempenho do Agente Comunitário de Saúde (ACS) no controle da tuberculose (TB) em áreas assistidas pela Estratégia Saúde da Família (ESF), sendo estabelecida uma análise comparativa com os ACSs inscritos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) tradicionais. MÉTODOS: Estudo transversal, realizado em um município prioritário para o controle da TB no Estado de São Paulo, com uma amostra mínima de 108 ACSs das ESFs e das UBSs. Para a coleta de dados, utilizou-se um instrumento elaborado para a Atenção Primária à Saúde (APS), adaptado para atenção à TB. RESULTADOS: No que concerne às ações de controle da TB, observou-se que não houve diferenças com significância estatística entre o desempenho dos ACSs das unidades da ESF e os inscritos nas UBSs. CONCLUSÃO: O estudo evidenciou a fragilidade dos ACSs em incorporar na sua prática as ações de controle da TB nas distintas modalidades de APS, apesar do destaque dado à ESF.

Fim do conteúdo da página