Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2015 > IS nº 02 > ASSISTÊNCIA AO PARTO
Início do conteúdo da página

DOENÇAS CRÔNICAS

Publicado: Segunda, 11 de Maio de 2015, 16h33 | Acessos: 1891

FATORES DE RISCO; VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

039
MALTA, Deborah Carvalho et al. Prevalência de fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis em adultos: estudo transversal, Brasil 2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 23, n. 4, p. 609-622, dez. 2014. Disponível em Scielo

OBJETIVO: descrever as prevalências de fatores de risco e proteção para doenças crônicas na população adulta brasileira e analisar as diferenças segundo variáveis sociodemográficas. MÉTODOS: estudo transversal com dados de 2012 do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), incluindo residentes nas capitais brasileiras com idade ≥18 anos; foram calculadas as prevalências e respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%) segundo sexo, faixa etária e escolaridade. RESULTADOS: entre 45.448 entrevistados, a prevalência de tabagismo foi de 12,1% (IC95%: 11,5%-12,8%), inatividade física, 14,9% (IC95%: 14,2%-15,5%), consumo abusivo de bebidas alcoólicas, 18,4% (IC95%: 17,7%-19,2%), excesso de peso, 51,0°% (IC95%: 50,1%-51,9%) e obesidade, 17,4°% (IC95%: 16,7%-18,1%); os fatores de risco estudados estiveram associados a maior idade, sexo masculino e menor escolaridade. CONCLUSÃO: a prevalência dos fatores de risco e proteção apresenta diferenças segundo características sociodemográficas, a serem consideradas nas estratégias de promoção da saúde.

Fim do conteúdo da página