Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2017 > IS nº 01 > PRÁTICA DE SAÚDE PÚBLICA
Início do conteúdo da página

HIPERTENSÃO

Publicado: Terça, 14 de Fevereiro de 2017, 12h54 | Acessos: 1180

DIRETRIZES PARA A PRÁTICA CLÍNICA

018
MALACHIAS, Marcus Vinícius Bolívar et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Rio de Janeiro, v. 107, n. 3, supl. 3, p. 1-104, set. 2016. Disponível em: Scielo

SAÚDE DO HOMEM; CUIDADOS DE ENFERMAGEM

019
PORTELA, Pollyana Pereira; MUSSI, Fernanda Carneiro; GAMA, Glicia Gleide Gonçalves; SANTOS, Carlos Antônio de Souza Teles. Fatores associados ao descontrole da pressão arterial em homens. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 307-315, maio/jun. 2016. Disponível em: Scielo

Objetivo: Verificar os fatores associados ao descontrole da pressão arterial em homens. Métodos: Estudo exploratório, de corte transversal, realizado em centro de referência para doenças cardiovasculares, em Salvador-BA, lócus para o núcleo de referência do programa de saúde do homem do Ministério da Saúde. Amostra foi selecionada por conveniência totalizando 130 homens atendidos em centro de saúde, submetidos a entrevista, avaliação clínica e antropométrica. Na análise bivariada empregou-se o Qui-quadrado de Pearson ou Exato de Fisher realizando-se posteriormente análise de regressão logística múltipla sendo a OR corrigida pelo modelo de Poisson. Adotou-se significância estatística de 5%. Resultados: Constatou-se alta prevalência de descontrole da pressão arterial (65,4%), de hábitos de vida inadequados e de excesso de peso. Não houve associação estatisticamente significante entre descontrole dos níveis pressóricos e variáveis sociodemográficas, hábitos de vida e medidas antropométricas. Na regressão, o descontrole da pressão arterial associou-se ao uso inadequado da medicação (RP: 1,35, IC 95%: 1,03; 1,76). Conclusão: O uso inadequado da medicação foi reforçado como importante fator associado ao descontrole. Medidas efetivas para mudança deste panorama são emergenciais e desafiam profissionais e autoridades públicas.

Fim do conteúdo da página