Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

PSICOLOGIA

Publicado: Terça, 14 de Fevereiro de 2017, 14h36 | Acessos: 43

INDÍGENAS

024
FERRAZ, Isabella Tormena; DOMINGUES, Eliane. A Psicologia Brasileira e os Povos Indígenas: Atualização do Estado da Arte. Psicologia: ciência e profissão, Brasília, v. 36, n. 3, p. 682-695, jul./set. 2016. Disponível em: Scielo

De acordo com o último censo do IBGE (2010a), 0,4% da população brasileira é composta por indígenas, população que vem aumentando nos últimos anos e cresceu 39% em relação ao censo de 2000, embora ainda continue sendo uma população invisibilizada e só recentemente tenha começado a ser estudada pela Psicologia. Como marcos da recente aproximação da Psicologia com a temática indígena, destacamos: o relatório do seminário “Subjetividade e Povos Indígenas” (2004) e o livro “Psicologia e Povo Indígenas” (2010). O objetivo deste estudo é atualizar o estado da arte sobre os povos indígenas na Psicologia no Brasil, considerando duas bases de dados o PePSIC e a SciELO. Utilizando como palavras-chave “indígena” ou “índio” em toda coleção na primeira base e somente nas revistas de Psicologia na segunda, encontramos um total de 25 artigos, os quais foram lidos na íntegra e agrupados de acordo com os temas estudados. Concluímos que os artigos encontrados se caracterizam, por um lado, pela interdisciplinaridade, e por outro, pela falta de um referencial teórico bem-definido específico da área da Psicologia. Entendemos que a complexidade da temática demanda um olhar interdisciplinar, no entanto, a escassez de referências específicas da Psicologia nos indica que ainda temos muito a avançar, possivelmente pela aproximação recente da Psicologia com o estudo da temática e também pela própria constituição da Psicologia enquanto ciência pautada principalmente por tradições individualistas, que destoam das tradições indígenas que se baseiam principalmente no coletivismo.

Fim do conteúdo da página