Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2017 > IS nº 03 > EQUIDADE EM SAÚDE
Início do conteúdo da página

MERCADO DE TRABALHO

Publicado: Segunda, 07 de Agosto de 2017, 15h19 | Acessos: 127

ENFERMAGEM

076
CAETANO, Solange Aparecida; PRADO, Juvenal Tadeu Canas. Mercado de trabalho: condições gerais do trabalho da enfermagem. Divulgação em Saúde para Debate, Rio de Janeiro, n. 56, p. 98-105, dez. 2016. Disponível em Cebes

Este artigo objetiva discutir os aspectos positivos e negativos do mercado de trabalho para enfermeiros no que tange às condições de trabalho e sua respectiva satisfação profissional.
Trata-se de um artigo de reflexão a partir de análise de dados secundários, provenientes da pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil (Conselho Federal de Enfermagem/Fundação Oswaldo Cruz). O número de profissionais de enfermagem disponíveis para o mercado de trabalho é majoritariamente constituído de técnicos e auxiliares de enfermagem do gênero feminino, sendo que o desemprego entre os profissionais da área já é uma realidade, inferindo ainda que a equipe é submetida a uma carga horária de trabalho semanal de 31 a 40 horas, o que corresponde a 34,7% dos sujeitos da pesquisa; sendo que chama a atenção o fato de 14,3% dos técnicos e auxiliares de enfermagem relatarem que trabalham mais de 61 horas semanais. Conclui-se que as condições de trabalho impostas pelo mercado de trabalhos aos profissionais de enfermagem estão ainda aquém das condições favoráveis e dignas que a categoria merece e almeja.

077
MACHADO, Maria Helena; OLIVEIRA, Eliane dos Santos de; LEMOS, Waldirlando Rosa; LACERDA, Wagner Ferraz de; JUSTINO, Everson. Mercado de trabalho em enfermagem no âmbito do SUS: uma abordagem a partir da pesquisa Perfil da Enfermagem no Brasil. Divulgação em Saúde para Debate, Rio de Janeiro, n. 56, p. 52-69, dez. 2016. Disponível em Cebes

O presente artigo aborda algumas dimensões estruturais do mercado de trabalho da enfermagem, focalizando a importância desse segmento na organização e no desenvolvimento
das atividades no âmbito do Sistema Único de Saúde. Utilizou-se os dados provenientes da pesquisa* Perfil da Enfermagem no Brasil realizada pela Fundação Oswaldo Cruz em convênio com o Conselho Federal de Enfermagem (2015) e outras fontes secundárias disponíveis. Trata-se de um estudo transversal, abrangendo todos os enfermeiros, técnicos e auxiliares inscritos no Sistema Cofen/Conselhos Regionais no ano de 2013, possuindo, portanto, abrangência nacional. As dimensões analisadas referem-se: a) à inserção nos setores público, privado e filantrópico; b) a vínculos trabalhistas; c) a jornadas de trabalho; c) à renda mensal, entre outras que conformam a dinâmica do mercado de trabalho. O texto conclui que o setor público é o grande empregador da enfermagem; que esses profissionais têm jornadas extensas, acima de 40 horas semanais; no entanto, têm rendas mensais baixas etc. Como contribuição ao entendimento dessa realidade, este artigo procura descrever a situação atual e a natureza do trabalho da enfermagem estabelecendo inter-relações causais entre essas dimensões.

Fim do conteúdo da página