Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2018 > IS nº 02 > EDUCAÇÃO MÉDICA
Início do conteúdo da página

FORÇA DE TRABALHO

Publicado: Terça, 08 de Maio de 2018, 14h44 | Acessos: 24

RECURSOS HUMANOS EM SAÚDE; ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

042
CARVALHO, Marselle Nobre de et al. Necessidade e dinâmica da força de trabalho na Atenção Básica de Saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 295-302, jan. 2018. Disponível em Scielo

A Atenção Básica e a Força de Trabalho em Saúde podem ser consideradas os grandes desafios do SUS, principalmente nas duas últimas décadas. Este artigo teve como objetivo descrever o crescimento e a distribuição regional das profissões de nível superior cadastradas em UBS. Estudo descritivo, de abordagem quantitativa, sobre as catorze profissões de nível superior nas cinco regiões brasileiras, de 2008 a 2013. Entre as categorias profissionais com as maiores taxas de crescimento nacional estão os professores de educação física, os nutricionistas, os terapeutas ocupacionais, os fisioterapeutas e os farmacêuticos. No Norte, a fisioterapia, o serviço social e a fonoaudiologia se destacaram com as maiores taxas de crescimento; no Nordeste, a educação física, a fisioterapia e a terapia ocupacional; no Centro-Oeste, os destaques são a nutrição e a fisioterapia; no Sudeste, nutrição e farmácia; e a educação física apresentou crescimento proeminente no Sul. As maiores perdas ocorreram nas profissões biólogo e médico veterinário, em todas as regiões. De modo geral, as categorias profissionais que podem compor o NASF apresentaram crescimento superior aos enfermeiros e médicos.

 

Fim do conteúdo da página