Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2019 > IS nº 03 > QUALIDADE DE VIDA
Início do conteúdo da página

QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE

Publicado: Quinta, 11 de Julho de 2019, 16h52 | Acessos: 290

ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE; CRIANÇA

086
PONNET, Liz et al. Avaliação da qualidade dos serviços de Atenção Primária à Saúde para crianças: reflexões sobre a viabilidade do uso rotineiro do Primary Care Assessment Tool-Brazil. Einstein, São Paulo, v. 17, n. 1, eAO4333, 2019. Disponível em Scielo

Objetivo: Avaliar a qualidade dos serviços de Atenção Primária à Saúde prestados às crianças e a viabilidade de usar a versão brasileira da Primary Care Assessment Tool (PCAT-Brazil) como ferramenta rotineira de avaliação da qualidade. Métodos: Estudo transversal, realizado em Joanópolis, um pequeno município rural no Estado de São Paulo. Sete profissionais de saúde e 502 responsáveis legais de crianças que usaram o centro de saúde foram entrevistados usando a PCAT-Brazil, para coleta de dados sobre os atributos essenciais e derivados dos serviços de Atenção Primária à Saúde oferecidos às crianças. Foi calculado o escore para cada atributo. Resultados: Os responsáveis classificaram como satisfatórios os atributos como “grau de afiliação”, “acesso de primeiro contato − utilização”, “coordenação” e “integralidade − serviços disponíveis”. Os atributos “acesso de primeiro contato − acessibilidade”, “longitudinalidade”, “integralidade − serviços prestados” e “orientação familiar e comunitária” foram classificados como insatisfatórios. Por outro lado, os profissionais de saúde apenas classificaram o atributo “acessibilidade do primeiro contato” como satisfatório e consideraram todos os outros atributos de Atenção Primária à Saúde como necessidade de melhoria. Para realizar este estudo, foram investidas pelo menos 1.241 horas de trabalho e o orçamento estimado foi de R$12.900,00 (ou U$3,953.00). Conclusão: Usar a PCAT-Brazil como ferramenta de avaliação e planejamento de rotina pareceu não ser viável neste estudo, pelos altos custos, pela falta de pessoal treinado e pelo grande número de horas de trabalho exigido. Para superar os obstáculos encontrados, conselhos foram formulados com base na experiência de campo.

Fim do conteúdo da página