Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2020 > IS nº 03 > ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Início do conteúdo da página

ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Publicado: Quarta, 15 de Julho de 2020, 11h57 | Acessos: 86

ACESSO AOS SERVIÇOS DE SAÚDE; ASSISTÊNCIA À SAÚDE; COBERTURA UNIVERSAL; SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

064
MENEZES, Erica Lima Costa de; VERDI, Marta Inez Machado; SCHERER, Magda Duarte dos Anjos; FINKLER, Mirelle. Modos de produção do cuidado e a universalidade do acesso – análise de orientações federais para o trabalho das equipes da APS no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 5, p. 1751-1764, maio 2020. Disponível em Scielo

Objetivou-se analisar as orientações federais para organização do processo de trabalho na Atenção Primária à Saúde e os modos de produção do cuidado, no sentido de promover a universalidade de acesso aos serviços, por meio de análise documental em fontes primárias oficiais relacionadas à Política Nacional de Atenção Básica e aos Programas Nacional de Melhoria do Acesso e Qualidade, Mais Médicos e Telessaúde Brasil Redes. A análise originou cinco categorias: formação de trabalhadores na e para a APS; valorização do trabalhador e do trabalho; organização das ações de saúde para/com as pessoas e comunidades; complexidade do fazer em saúde e o trabalho multiprofissional e; a construção coletiva da saúde como direito. Os resultados apontam avanços na promoção da universalidade, especialmente nos documentos anteriores a 2015, por conta de ações relacionadas à formação profissional, ao acolhimento, ao estabelecimento de processos de avaliação e a ampliação do escopo de ações. Entretanto, há aproximações com a cobertura universal, evidenciadas pelo incentivo à implantação de equipes com redução da composição multiprofissional e flexibilização da carga horária, que dificultam a efetivação do SUS como política social inclusiva.


MEDICINA DE FAMÍLIA E COMUNIDADE; SAÚDE GLOBAL

065
PONKA, David et al. A contribuição da Medicina de Família e dos líderes em Medicina de Família para o desenvolvimento da Atenção Primária à Saúde nas Américas - de Alma-Ata à Astana e além. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 4, p. 1215-1220, abr. 2020. Disponível em Scielo

Desde 2012, o Centro Besrour de Medicina Global de Família, na Faculdade de Medicina de Família do Canadá, reúne seus parceiros das Américas anualmente para refletir sobre a evolução da Medicina de Família no continente desde Alma-Ata e para os desafios futuros. Os médicos de família são apenas um elemento de um forte sistema de saúde. A Medicina de Família fornece ingredientes-chave para responder às necessidades de saúde da população, especialmente à medida em que os países passam pela transição epidemiológica para enfrentar um fardo maior de doenças crônicas e de multimorbidade. Neste artigo, fornecemos uma visão geral de alto nível do estado da Medicina de Família no continente. Em seguida, analisamos as tendências na educação dos médicos de família para enfrentar esse cenário em mudança, incluindo a ênfase no papel de líder dos futuros médicos de família. Os programas de pós-graduação em Medicina de Família nas Américas estão enfatizando cada vez mais o ensino do cuidado colaborativo, a fim de criar equipes de saúde verdadeiramente interdisciplinares para o benefício dos pacientes.

Fim do conteúdo da página