Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2021 > IS nº 01 > ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA
Início do conteúdo da página

ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA

Publicado: Sexta, 15 de Janeiro de 2021, 12h09 | Acessos: 85

VIGILÂNCIA EM SAÚDE; ATENÇÃO BÁSICA; SUS

006
SILVA, Gabrielly Cristiny Soares et al. Relações entre Estratégia Saúde da Família e Vigilância em Saúde na perspectiva de médicos de equipes de saúde da família em Minas Gerais, Brasil: uma análise qualitativa. Saúde e Sociedade, São Paulo, [online], v. 29, n. 4, e191007, 2020. Disponível em Scielo

Este estudo avaliou o conhecimento de médicos de equipes da Estratégia Saúde da Família (ESF) sobre a Vigilância em Saúde e suas áreas, de modo a compreender como se dá a relação entre estes setores e identificar os pontos positivos e os nós críticos que prejudicam a integração entre eles. Foi realizado grupo focal com oito médicos de municípios do interior de Minas Gerais. O tempo médio de atuação dos profissionais na ESF foi de 5,7 ± 3,25 anos e o tempo médio de atuação no Sistema Único de Saúde foi de 6,8 ± 3,33 anos. Foram identificadas três categorias temáticas, quais sejam: “Compreensões sobre Vigilância em Saúde”, “Vigilâncias Reconhecidas” e “Relações dos Profissionais da Atenção Básica com a Vigilância em Saúde”. A Vigilância em Saúde foi percebida como responsável pelo controle e prevenção de doenças e norteadora do planejamento das ações de saúde. As vigilâncias mais reconhecidas foram a Epidemiológica e Sanitária. Os principais nós críticos identificados estão associados à falta de conhecimento mútuo e interação entre a Atenção Básica e a Vigilância em Saúde, que por conseguinte leva ao pouco envolvimento e integração dessas áreas no processo de notificação, acompanhamento e resolução de doenças e agravos de responsabilidade compartilhada.

Fim do conteúdo da página