Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2021 > IS nº 01 > RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE
Início do conteúdo da página

RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE

Publicado: Sexta, 15 de Janeiro de 2021, 12h52 | Acessos: 62

RECICLAGEM; INCINERAÇÃO; ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

022
BOROWY, Iris. Resíduo hospitalar: o lado sombrio da assistência médica. História, Ciências, Saúde: Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 27, supl. 1, p. 231-251, set. 2020. Disponível em Scielo

Hospitais e outros centros de tratamento de saúde geram um volume de resíduos cada vez maior, dos quais cerca de 15% podem ser infecciosos, tóxicos ou radioativos. A Organização Mundial da Saúde começou a enfrentar o problema na década de 1980. Inicialmente, concentrou-se nos países ricos, depois mudou o foco para os países pobres, onde métodos de eliminação inseguros, como aterros sanitários e incineradores inadequados, preocupavam. Aos poucos, a compreensão do problema passou por mudanças, inclusive do enfoque no conteúdo do resíduo hospitalar considerado “perigoso”, passando para todas as formas de resíduos, e da aceitação do resíduo médico como um inconveniente inerente aos cuidados de saúde de alta qualidade, até o conceito de que evitar a produção de resíduos hospitalares faz parte dos cuidados de saúde de alta qualidade.

Fim do conteúdo da página