Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições Anteriores > 2001 a 2011 > Edições 2005 > IS nº 1, jan./mar. 2005 > CONTROLE DE MEDICAMENTOS E ENTORPECENTES
Início do conteúdo da página

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

Publicado: Segunda, 18 de Maio de 2015, 11h58 | Acessos: 1268

REINCIDÊNCIA

013
BRUNO, Zenilda Vieira et al. Reincidência de gravidez em adolescentes. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 31, n. 10, p. 480-484, out. 2009. Disponível em Scielo

OBJETIVO: avaliar os aspectos epidemiológicos na reincidência de gravidez na adolescência. MÉTODOS: estudo de coorte que incluiu 187 adolescentes grávidas, atendidas e acompanhadas durante cinco anos após o parto em um serviço de atendimento de adolescentes do Estado do Ceará. Foram analisados: faixa etária, estar ou não estudando, morar com os pais, escolaridade, condição marital e condição do companheiro atual. Os dados foram digitados e analisados no programa EPI-INFO. Foram feitas análises estatísticas das variáveis independentes (idade, escolaridade, estudar, trabalhar, morar com os pais, estado civil e mudança de parceiro) e comparadas quanto à variável dependente (ter ou não uma nova gravidez cinco anos depois). O teste exato de Fisher foi utilizado para avaliar associação entre os fatores que poderiam influenciar a repetição da gravidez, considerado como tendo associação quando o p<0,05. Foram calculados os riscos relativos para a escolaridade, condição marital e mudança de parceiro por serem fatores que se mostraram significativos para a reincidência de gravidez. RESULTADOS: foi verificado que 61% das adolescentes engravidaram nos cinco anos seguintes ao primeiro parto. Não foram fatores protetores: idade, estudar, trabalhar ou morar com os pais. Entretanto, quando as adolescentes tinham oito anos ou menos de escolaridade, o risco de engravidar quase duplicou (risco relativo (RR)=1,8 (IC95%=1,3-2,6)). Novas gestações foram mais frequentes entre as solteiras sem companheiro estável (RR=1,3 (IC95%=1,1-1,6)) e aquelas que mudaram de parceiro (RR=1,4 (IC95%=1,1-1,7)). CONCLUSÕES: a baixa escolaridade, a mudança de parceiros e uniões não estáveis foram fatores de risco para reincidência de gravidez.

Fim do conteúdo da página