Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas Notícias > Ministério da Saúde lança versão digital do Cartão SUS
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Agir para Derrotar a Meningite: 24/3 – Dia Mundial da Meningite

  • Publicado: Sexta, 23 de Abril de 2021, 18h05
  • Última atualização em Sexta, 23 de Abril de 2021, 18h05

O Dia Mundial da Meningite objetiva aumentar a conscientização sobre a doença, um grande problema de saúde pública global, que tem até 5 milhões de casos a cada ano, incluindo epidemias de novas cepas que se espalham entre países e em todo o mundo.

Em novembro de 2020, a 73ª Assembleia Mundial da Saúde aprovou a primeira resolução sobre prevenção e controle da meningite e um roteiro global para derrotar a doença até 2030, o Defeating Meningitis by 2030.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) apoia os esforços para derrotar a meningite à luz desta nova estratégia global que visa eliminar epidemias de meningite bacteriana e reduzir mortes e incapacidades dela decorrentes.

A doença pode matar em questão de horas ou causar incapacidade permanente. Por meio da vacinação contra meningococo, pneumococo e Haemophilus influenzae tipo b, causas mais comuns de meningite, e de novas vacinas a serem desenvolvidas, mais vidas serão salvas na próxima década.

Até 2030, os países se comprometem:

- com a eliminação de epidemias de meningite bacteriana;
- com a redução do número de casos de meningite bacteriana evitável por vacina em 50% e de mortes em 70%;
- com a redução das deficiências e com a melhoria da qualidade de vida dos sobreviventes da doença.


Meningite é uma infecção que se instala, principalmente, quando uma bactéria ou vírus, por alguma razão, consegue vencer as defesas do organismo e ataca as meninges, três membranas que envolvem e protegem o encéfalo, a medula espinhal e outras partes do sistema nervoso central.

Transmissão:

Pode ser transmitida pelo doente ou portador através da fala, tosse, espirros e beijos, passando da garganta de uma pessoa para outra. Nem todos que adquirem o meningococo ficam doentes, pois o organismo se defende com os anticorpos que cria através do contato com essas mesmas bactérias, adquirindo portanto, resistência à doença. As crianças de 6 meses a 1 ano são as mais vulneráveis ao meningococo porque, geralmente, ainda não desenvolveram anticorpos para combatê-la.

Sintomas:

Nas meningites virais o quadro é mais leve. Os sintomas se assemelham aos das gripes e resfriados. A doença acomete, principalmente, as crianças, que têm febre, dor de cabeça, um pouco de rigidez da nuca, inapetência e irritação. Uma vez que os exames tenham comprovado tratar-se de meningite viral, a conduta é esperar que o caso se resolva sozinho, como acontece com outras viroses.

As meningites bacterianas são mais graves e devem ser tratadas imediatamente. Os principais agentes causadores da doença são as bactérias meningococos, pneumococos e hemófilos, transmitidas pelas vias respiratórias ou associadas a quadros infecciosos de ouvido, por exemplo.

Em pouco tempo, os sintomas aparecem: febre alta, mal-estar, vômitos, dor forte de cabeça e no pescoço, dificuldade para encostar o queixo no peito e, às vezes, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo. Esse é um sinal de que a infecção está se alastrando rapidamente pelo sangue e o risco de sepse aumenta muito. Nos bebês, a moleira fica elevada.

Tratamento:

Assim como para outras enfermidades causadas por vírus, não existe tratamento específico para as meningites virais. Os medicamentos para combater febre e dor são úteis para aliviar os sintomas.

Meningites bacterianas são tratadas com antibióticos aplicados por via endovenosa (diretamente na veia do paciente) e sua administração deve começar o mais rápido possível para evitar complicações e sequelas.

Meningites causadas por fungos ou pelo bacilo da tuberculose exigem tratamento prolongado à base de antibióticos e quimioterápicos por via oral ou endovenosa.

Prevenção:

- evitar locais com aglomeração de pessoas;
- deixar os ambientes ventilados, se possível ensolarados, principalmente, salas de aula, locais de trabalho e transporte coletivo;
- não compartilhar objetos de uso pessoal;
- reforçar os hábitos de higiene, lavando as mãos com frequência, especialmente antes das refeições;
- manter a vacinação em dia.

A rede pública de saúde oferece, gratuitamente, as vacinas contra as formas mais graves de meningite:

Meningite tipo C (a proteção está contida na vacina Meningo C):
- para crianças (1ª dose aos 3 meses; 2ª dose aos 5 meses; e reforço entre 12 meses e 4 anos 11 meses e 29 dias);
- para adolescentes entre 12 e 13 anos – 1 dose.

Meningite por pneumococo (a proteção está contida na vacina Pneumo 10):
- para crianças (1ª dose aos 2 meses; 2ª dose aos 4 meses; e reforço entre 12 meses e 4 anos 11 meses e 29 dias).

Meningite por Haemophilus influenzae (a proteção está contida na vacina Pentavalente):
- para crianças (1ª dose aos 2 meses; 2ª dose aos 4 meses; e 3ª dose aos 6 meses).

Meningite tuberculosa (a vacina BCG protege contra a meningite tuberculosa):
- para crianças, ao nascer.


Recomendação
:

Alguns sintomas da meningite podem ser confundidos com os de outras infecções por vírus e bactérias. Não fique na dúvida: criança chorosa, inapetente e prostrada, que se queixa de dor de cabeça, precisa ser levada, o mais depressa possível, para avaliação médica de urgência. Os efeitos tardios da meningite podem ter um impacto permanente na vida do paciente, provocando:

- danos aos órgãos;
- perda da audição:
- lesão cerebral;
- dificuldade de aprendizagem;
- perda de membros.


Fontes:

Confederation of Meningitis Organizations
Dr. Dráuzio Varella
Ministério da Saúde. Saúde de A a Z
Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul
World Health Organization

registrado em:
Fim do conteúdo da página