Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas Notícias > Jovens e Saúde Mental em um Mundo em Mudança: tema do Dia Mundial da Saúde Mental 2018, comemorado em 10/10
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

"Meu cuidado. Meu direito": 12/10 – Dia Mundial dos Cuidados Paliativos

  • Publicado: Sexta, 11 de Outubro de 2019, 16h47
  • Última atualização em Sexta, 11 de Outubro de 2019, 17h12

O tema “Meu cuidado. Meu direito“ visa chamar a atenção para o direito que todas as pessoas com uma doença grave tem de receber o atendimento de cuidados paliativos adequados, dentro da política pública de saúde, e a necessidade de se priorizar o financiamento de cuidados paliativos na Cobertura Universal de Saúde.

O que são cuidados paliativos?

Proteger é o significado de paliar, palavra derivada do latim pallium, termo que nomeia o manto que os cavaleiros usavam para se proteger das tempestades pelos caminhos que percorriam. Proteger alguém é uma forma de cuidado, tendo como objetivo amenizar a dor e o sofrimento, sejam eles de origem física, psicológica, social ou espiritual.

Receber cuidados paliativos indica que há diagnóstico de uma doença crônica grave, que ameaça a vida, e que uma equipe, juntamente com os profissionais especialistas na enfermidade, irá cuidar de quem está doente e daqueles que o cercam.

O diagnóstico de uma doença grave costuma vir acompanhado, além dos sintomas físicos, de questões profundas de ordem social, psicológica e espiritual. Um diagnóstico difícil traz à tona questões como, o medo da morte, a apreensão em deixar a família desamparada, conflitos do passado e até problemas de ordem prática, como o afastamento do trabalho e a consequente queda de renda, entre outras. Essas indagações não podem ser tratadas e abordadas por um único profissional. Por isso, as equipes de cuidados paliativos são multidisciplinares.

O médico paliativista atua para melhorar o conforto físico do paciente – amenizar a dor, diminuir o mal-estar causado pela doença ou pelo seu tratamento – e toda a equipe trabalha para que esses incômodos e todos os outros sejam atenuados para a melhoria da qualidade de vida de quem está enfermo e de sua família e amigos.

Uma doença grave atinge não só o paciente, mas também aqueles que o cercam. Por esse motivo, o papel da equipe de cuidados paliativos é cuidar de todos. A equipe inclui enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, capelães, assistentes sociais, entre outros profissionais, para dar conta de uma extensa demanda de necessidades.

Cuidados paliativos pretendem:

- aliviar os problemas existentes;
- prevenir a ocorrência de novos problemas;
- promover oportunidades para experiências significativas e valiosas, crescimento pessoal e espiritual e autorrealização.

Cuidados paliativos devem ser aplicados a partir da definição de uma doença incurável e progressiva, em concomitância a outros tratamentos pertinentes.

Cuidados ao fim da vida são uma parte importante dos cuidados paliativos que se refere à assistência que a pessoa deve receber durante a última etapa de sua vida, a partir do momento em que fica claro que ela se encontra em estado de declínio progressivo e inexorável, aproximando-se da morte.

Os cuidados ao fim da vida incluem os cuidados básicos de rotina, os cuidados paliativos intensivos e os cuidados destinados aos cuidadores e profissionais de saúde que estiverem com o paciente.

A data, comemorada a cada dois anos, é organizada por um comitê da World Hospice and Palliative Care Association (WHPCA), uma rede global de organizações de cuidados paliativos, com o objetivo de realizar ações unificadas que aumentem a conscientização e a compreensão das necessidades - médicas, sociais, práticas, espirituais - das pessoas que vivem com uma doença que limita sua vida e a de suas famílias e, ainda,  arrecadar fundos para apoiar e desenvolver serviços de cuidados paliativos, mundialmente.

- 78% das pessoas que precisam de cuidados paliativos vivem em países em desenvolvimento;
- 40 milhões de pessoas precisam de cuidados paliativos a cada ano e 20 milhões, no final da vida;
- 18 milhões de pessoas morrem, todo ano, sentindo dor e angústia, desnecessariamente, por falta de cuidados paliativos.


Confira bibliografia selecionada na Biblioteca Virtual em Saúde:

- em português

- em espanhol

- em inglês

 

Fontes:

Academia Nacional de Cuidados Paliativos

Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia

Sociedade Brasileira de Psicologia

The World Hospice and Palliative Care Association

registrado em:
Fim do conteúdo da página