Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

SAÚDE MENTAL

Publicado: Terça, 08 de Maio de 2018, 15h41 | Acessos: 1323

ASSISTÊNCIA AMBULATORIAL; ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE; POLÍTICA DE SAÚDE

054
DAMOUS, Issa; ERLICH, Hilana. O ambulatório de saúde mental na rede de atenção psicossocial: reflexões sobre a clínica e a expansão das políticas de atenção primária. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, p. 911-932, out./dez. 2017. Disponível em Scielo

O movimento de Reforma Psiquiátrica e as recentes diretrizes no âmbito da Atenção Primária em Saúde redirecionam o modelo de assistência em saúde mental no Brasil e viabilizam grandes conquistas. Nesse contexto, este artigo aborda o ambulatório de saúde mental com o objetivo de afirmá-lo enquanto um dispositivo fundamental e potente na rede de atenção psicossocial. Tendo a clínica como eixo condutor, a discussão empreendida segue principalmente contribuições teóricas de referência sobre os fundamentos do campo da atenção psicossocial, as políticas públicas de saúde e de saúde mental, além de considerar os aportes teórico-clínicos de autores atravessados pela psicanálise e inseridos no campo da saúde mental, assim como a longa experiência das autoras nesse campo. Destaca-se então a dimensão clínica concernente ao ambulatório, creditando-se o vigor potente desse dispositivo a certo modo de exercê-la, às diferentes modalidades ofertadas, à organização dos serviços e ao acolhimento e acompanhamento de determinada clientela. Trata-se de sustentar finalmente que, a partir de uma atitude desperta para a clínica, um ambulatório de saúde mental potente em uma rede de atenção psicossocial promove efetivamente o almejado trabalho voltado para o território e, portanto, para a desinstitucionalização.


SERVIÇOS DE SAÚDE MENTAL; AVALIAÇÃO DE PROCESSOS

055
PINHO, Eurides Santos; SOUZA, Adrielle Cristina Silva; ESPERIDIÃO, Elizabeth. Processos de trabalho dos profissionais dos Centros de Atenção Psicossocial: revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1 p. 141-152, jan. 2018. Disponível em Scielo

Trata-se de uma revisão integrativa da literatura acerca dos processos de trabalho dos profissionais dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), refletindo sobre as práticas dos serviços, destacando a reinserção social dos usuários, através do cumprimento da perspectiva biopsicossocial. A bibliografia levantada objetiva demonstrar como os processos de trabalho estão sendo desenvolvidos pelos profissionais dos CAPS, e suas repercussões para o usuário desse serviço. A revisão da literatura foi feita nas bases de dados Lilacs, SciELO e PubMed, em Português, Inglês e Espanhol, com o produto de 57 artigos que foram analisados e organizados em planilha Excel. Este estudo mostrou deficiências na quantidade e qualidade dos recursos físicos, humanos e materiais, fragilidade da rede em saúde mental, além de identificar dissonâncias no atendimento aos usuários e seus familiares, o que leva à redução da qualidade nos processos de trabalho. Os desfechos mais pautados foram acolhimento, projeto terapêutico singular e a territorialização como dissonância na proposta de desinstitucionalização. Este trabalho reúne experiência e conhecimentos profissionais espalhados por todo o país, com notas que orientam o redirecionamento das práticas assistenciais.

 

Fim do conteúdo da página