Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas Notícias > 27/9 - Dia Nacional da Doação de Órgãos
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

27/9 - Dia Nacional da Doação de Órgãos

  • Publicado: Segunda, 26 de Setembro de 2016, 11h55
  • Última atualização em Segunda, 26 de Setembro de 2016, 11h55

Data instituída pela Lei nº 11.584/2.007.

A doação de órgãos é o ato pelo qual se manifesta a vontade de doar uma ou mais partes do corpo para ajudar no tratamento de outras pessoas. A doação pode ser de órgãos (rim, fígado, coração, pâncreas e pulmão) ou de tecidos (córnea, pele, ossos, válvulas cardíacas, cartilagem, medula óssea e sangue de cordão umbilical). A doação de órgãos como o rim, parte do fígado ou parte do pulmão e da medula óssea pode ser feita em vida.

O doador vivo é qualquer pessoa saudável que concorde com a doação, desde que não prejudique a sua própria saúde. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não parentes, somente com autorização judicial.

O doador falecido é um paciente com morte encefálica, com a completa e irreversível parada de todas as funções do cérebro; geralmente vitima de dano cerebral irrecuperável, como traumatismo craniano ou acidente vascular cerebral (AVC).

A morte encefálica é atestada por médicos, apoiados por exames baseados em sólidas e reconhecidas normas médicas e por testes, feitos para confirmar a ausência do fluxo sanguíneo ou da atividade cerebral.

No Brasil, para ser um doador não é preciso deixar nada por escrito, nem registrado em documentos. O essencial é ter uma conversa com sua família sobre essa intenção. No momento certo, ela tomará a decisão; afinal, a doação só acontecerá após a autorização familiar, por escrito.

Os órgãos doados vãos para pacientes que necessitam de um transplante e já estão aguardando em lista única, monitorada pelo Ministério da Saúde.

Podem ser doados coração, pulmões, fígado, pâncreas, intestino, rins, córnea, vasos, pele, ossos e tendões. Portanto, um único doador pode salvar inúmeras vidas.

A retirada dos órgãos é realizada em centro cirúrgico, como qualquer outra cirurgia. O corpo do doador é então reconstituído, podendo ser velado normalmente. Saiba mais!

registrado em:
Fim do conteúdo da página