Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Dicas em Saúde > Síndrome metabólica
Início do conteúdo da página

Micoses

Publicado: Sexta, 11 de Setembro de 2015, 17h02 | Acessos: 12368

São infecções provocadas pelo crescimento excessivo de fungos e que podem afetar a pele, o couro cabeludo, as unhas e áreas mais úmidas do corpo. Os fungos estão presentes em todas as pessoas, mas o desenvolvimento das micoses está ligado a fatores como, sistema imunológico enfraquecido, consumo excessivo de açúcar ou alergias.

Tipos:

- Candidíase: micose transmitida pelo fungo Cândida albicans. A candidíase pode ocorrer na região oral, vaginal, peniana, intestinal.

- Tinha: micose caracterizada por manchas vermelhas de superfície escamosa, bordas bem nítidas e que coçam. As tinhas aparecem em qualquer lugar do corpo, sendo mais comum as dos pés, como “pé-de-atleta” ou “frieira”. Nas crianças, é comum que apareçam no couro cabeludo, formando uma placa com crostas, com coceira intensa, parecendo que o cabelo foi cortado naquela região. A tinha do couro cabeludo pode passar de uma criança para outra.

- Pitiríase versicolor: micose muito freqüente caracterizada por manchas pequenas como confete. Podem estar agrupadas ou isoladas, e normalmente aparecem na parte superior dos braços, tronco, pescoço e rosto. Sua superfície tem uma descamação fina, com a tonalidade variando entre o branco, rosado ou castanho, e pode coçar. A pitiríase versicolor é mais comum em adolescentes e jovens, sendo que pessoas de pele oleosa estão mais suscetíveis a apresentar este tipo de micose.

- Onicomicose: micose das unhas, tanto dos pés quanto das mãos. Caracteriza-se por alterações na cor da unha, descolamento, fragilidade, quebra, fendas, deformações.

Prevenção:

- seque-se sempre muito bem após o banho, principalmente as dobras de pele como as axilas, as virilhas e os dedos dos pés;
- evite ficar com roupas molhadas por muito tempo;
- evite o contato prolongado com água e sabão;
- não use objetos pessoais (roupas, calçados, pentes, toalhas, bonés) de outras pessoas;
- não ande descalço em pisos constantemente úmidos (lava pés, vestiários, saunas);
- observe a pele e o pêlo de seus animais de estimação (cães e gatos). Qualquer alteração como descamação ou falhas no pêlo procure o veterinário;
- evite mexer com terra sem usar luvas;
- use somente o seu material de manicure;
- evite usar calçados fechados o máximo possível. Opte pelos mais largos e ventilados;
- evite roupas quentes e justas. Evite os tecidos sintéticos, principalmente nas roupas íntimas;
- prefira sempre tecidos leves como o algodão.

Tratamento:

O tratamento vai depender do tipo de micose e deve ser determinado por um médico dermatologista. Podem ser usadas medicações locais sob a forma de cremes, loções e talcos ou medicações via oral, dependendo da intensidade do quadro. O tratamento das micoses é sempre prolongado, variando de cerca de 30 a 60 dias. Não o interrompa assim que terminarem os sintomas, pois o fungo nas camadas mais profundas pode resistir. Continue o uso da medicação pelo tempo indicado pelo seu médico.

As micoses das unhas são as de mais difícil tratamento e também de maior duração, podendo ser necessário manter a medicação por mais de doze meses. A persistência é fundamental para se obter sucesso nesses casos.


IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo.

Dica elaborada em novembro de 2.012.


Fontes:
Dr. Dráuzio Varella
Sociedade Brasileira de Dermatologia

registrado em:
Fim do conteúdo da página