Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Dicas em Saúde > Hipertireoidismo
Início do conteúdo da página

Pedra na vesícula (cálculo biliar)

Publicado: Sexta, 01 de Março de 2019, 10h59 | Acessos: 9115

A vesícula biliar é um órgão em forma de saco, parecida com uma pera, localizada abaixo do lobo direito do fígado. Sua função é armazenar a bile, líquido produzido pelo fígado que atua na digestão de gorduras no intestino. A bile é formada pela mistura de várias substâncias, entre elas o colesterol, responsável pela imensa maioria da formação de cálculos (pedras), que podem impedir o fluxo da bile para o intestino e causar uma inflamação chamada colecistite.

Sintomas:

Alguns casos de pedra na vesícula podem não ter sintomas, mas outros provocam dor intensa do lado direito superior do abdômen que se irradia para a parte de cima da caixa torácica ou para as costelas. A dor normalmente aparece meia hora após uma refeição, atinge um pico de intensidade e diminui depois. Pode vir ou não acompanhada de febre, náuseas e vômitos.

Causas:

Muitos fatores podem alterar a composição da bile e acionar o gatilho de formação de pedra na vesícula. Alguns fatores que aumentam o risco são:
- dieta rica em gorduras e carboidratos e pobre em fibras;
- vida sedentária, com elevação do LDL (mau colesterol) e diminuição do HDL (bom colesterol);
- diabetes;
- obesidade;
- hipertensão (pressão alta);
- fumo;
- uso prolongado de anticoncepcionais;
- elevação do nível de estrogênio - o que explica a incidência maior de cálculos biliares nas mulheres;
- predisposição genética.

Diagnóstico:

O diagnóstico é feito através do exame de ultrassom.

Tratamento:

O tratamento, tanto para quem apresenta sintomas quanto para quem não apresenta, é a remoção cirúrgica da vesícula biliar (colecistectomia). A cirurgia é feita por videolaparoscopia, com anestesia geral, habitualmente com recuperação rápida e baixos riscos quando comparado aos riscos das possíveis complicações.

Os pacientes não operados correm o risco de 30 a 50% de sofrerem complicações graves, tendo que se submeter à cirurgia de emergência, como, por exemplo:

- colecistite aguda – ocorre quando um cálculo (pedra) obstrui o ducto cístico causando inflamações e acúmulo de pus, peritonite (inflamação do peritônio - tecido que reveste a parede interna do abdômen) ou acúmulo de muco;
- fístulas (perfurações) para o intestino delgado ou cólon causando obstrução intestinal (íleo biliar), sangramento e infecções;
- coledocolitíase (cálculos no ducto que transporta a bile);
- colangite e papilites (inflamação das vias biliares);
- pancreatite (inflamação no pâncreas). A mortalidade nesses casos é de 7 a 15%.


IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo.

Dica elaborada em outubro de 2.018

 

Fontes:

Dr. Dráuzio Varella

Dr. Dráuzio Varella - entrevistas

Hospital Alemão Oswaldo Cruz

 

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página