Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas Notícias > Setembro Amarelo e Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio - 10/9
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

08/5 – Dia Internacional da Talassemia: construindo pontes com e para pacientes

  • Publicado: Terça, 07 de Maio de 2019, 18h02
  • Última atualização em Terça, 07 de Maio de 2019, 18h02

dia talassemia

O Dia Internacional da Talassemia, comemorado anualmente em 8 de maio, é um dia de homenagem a todos os pacientes, aos seus familiares e aos cientistas que, com dedicação, se esforçam para garantir uma melhor qualidade de vida para pessoas com talassemia em todo o mundo. O tema escolhido para 2019 pela Federação Internacional de Talassemia é: acesso universal a serviços de saúde de talassemia de qualidade: construindo pontes com e para pacientes.

A Talassemia, também chamada de anemia do Mediterrâneo, é um tipo de anemia (diminuição dos glóbulos vermelhos do sangue) transmitida de pais para filhos. É originária de países banhados pelo Mar Mediterrâneo e chegou ao Brasil trazida por habitantes desses países (portugueses, espanhóis, italianos, gregos, egípcios, libaneses).

Faz parte de um grupo de doenças do sangue chamadas hemoglobinopatias (doenças da hemoglobina). O sangue é formado por milhões de glóbulos vermelhos. As hemácias (células vermelhas do sangue) são arredondadas, achatadas e elásticas, e carregam dentro delas a hemoglobina que leva oxigênio para o corpo, possibilitando que todos os órgãos funcionem normalmente. A talassemia acontece quando há um defeito na produção dessas globinas.

Existem dois tipos de talassemia – alfa e beta – que podem manifestar-se nas seguintes formas: minor, intermediária e major. A forma minor, ou traço talassêmico, produz um grau de anemia leve, assintomático e que pode passar totalmente despercebido. Na forma intermediária, a deficiência da síntese de hemoglobina é moderada e as consequências menos graves. Já a talassemia major, ou anemia de Cooley, é uma forma grave da doença, causada pela transmissão de dois genes defeituosos, um do pai e outro da mãe. Isso provoca anemia profunda e outras alterações orgânicas importantes, como o aumento do baço, atraso no crescimento e problemas nos ossos.

Os sintomas estão diretamente relacionados com a gravidade da doença. Os mais comuns são:

- cansaço e fraqueza;
- palidez e icterícia;
- atraso no crescimento;
- abdômen desenvolvido;
- aumento do baço;
- alterações ósseas.

Diagnóstico:

Para estabelecer o diagnóstico é importante levantar a história clínica e obter informações sobre a origem étnica do paciente. Exames de laboratório, entre eles a eletroforese de hemoglobina quantitativa e qualitativa, são importantes para determinar o tipo da doença.

Tratamento:

Ainda não se conhece a cura para a talassemia, mas há opções de tratamento que possibilitam controlar a doença.

- a talassemia minor não demanda tratamento específico. Em certas circunstâncias (na gravidez, por exemplo), a suplementação com acido fólico pode trazer benefícios para os portadores da doença;
- a talassemia intermediária pode requerer a indicação de transfusões de sangue com a finalidade de aumentar a oferta de glóbulos vermelhos;
- portador de talassemia major necessita de transfusões de sangue regulares e de medicamentos para retirar o excesso de ferro que se acumula em determinados órgãos (terapia quelante do ferro). O transplante de medula óssea também pode constituir uma solução nesses casos.


Confira bibliografia técnico-científica selecionada na Biblioteca Virtual em Saúde


Fontes:

Associação Brasileira de Talassemia
Dr. Drauzio Varella
Ministério da Saúde
Thalassaemia International Federation

 

 

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página