Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2019 > IS nº 01 > ASSISTÊNCIA À SAÚDE
Início do conteúdo da página

CONSUMO DE BEBIDAS ALCOÓLICAS

Publicado: Segunda, 21 de Janeiro de 2019, 17h05 | Acessos: 45

ALCOOLISMO; FATORES SOCIOECONÔMICOS; POPULAÇÃO RURAL

010
JAEGER, Gustavo Pêgas; MOLA, Christian Loret de; SILVEIRA, Mariangela Freitas. Transtornos relacionados ao uso de álcool e fatores associados em zona rural do Brasil. Revista de Saúde Pública [online], São Paulo, v. 52, supl. 1, 2018. Disponível em Scielo

Descrever a prevalência de transtornos relacionados ao uso de álcool e fatores associados em uma população exclusivamente rural. MÉTODOS Estudo transversal de base populacional, integrante de um consórcio de pesquisa rural, realizado em cidade de médio porte do Sul do Brasil, com adultos residentes na zona rural, utilizando o AUDIT (Alcohol Use Disorders Identification Test). A análise incluiu a prevalência dos transtornos relacionados ao uso de álcool e fatores associados, como sociodemográficos, familiares e de saúde; foi realizada por regressão de Poisson, em modelo hierarquizado de análise, com intervalo de confiança de 95%. RESULTADOS A amostra final foi de 1.519 indivíduos. A prevalência de transtornos relacionados ao uso de álcool (AUDIT ≥ 8) foi de 8,4% (IC95% 7,0–9,8). Os fatores de risco para transtornos relacionados ao uso de álcool foram sexo masculino (RP = 8,26; IC95% 4,82–14,16), faixa etária entre 18 e 29 anos (RP = 3,29; IC95% 1,80–6,0) e tabagismo (RP = 1,88; IC95% 1,03–3,43). Como fatores de proteção com significância estatística encontramos a prática de religião (RP = 0,38; IC95% 0,25–0,58) e escolaridade entre nove e 11 anos de estudo, (RP = 0,33; IC95% 0,16–0,69). Estado civil e classe social não estiveram associados com o desfecho estudado. CONCLUSÕES A prevalência de transtornos relacionados ao uso de álcool na população rural é alta, porém, em média, mais baixa do que as encontradas em populações urbanas. Os fatores de risco e proteção foram similares aos encontrados em estudos prévios. Os homens, as pessoas mais jovens e os tabagistas têm maior risco para apresentar transtornos relacionados ao uso de álcool. Por outro lado, praticar uma religião e ter maior escolaridade foram fatores de proteção.

Fim do conteúdo da página