Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2019 > IS nº 03 > ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA
Início do conteúdo da página

DOENÇA DE ALZHEIMER

Publicado: Quinta, 11 de Julho de 2019, 15h44 | Acessos: 93

IDOSO; TERAPIA OCUPACIONAL; HABILIDADE

071
BERNARDO, Lilian Dias. Idosos com doença de Alzheimer: uma revisão sistemática sobre a intervenção da Terapia Ocupacional nas alterações em habilidades de desempenho. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, São Carlos, v. 26, n. 4, p. 926-942, out./dez. 2018. Disponível em Scielo

Introdução: Idosos com Doença de Alzheimer (DA) apresentam restrições para o engajamento em ocupações que podem estar associadas às alterações em habilidades de desempenho. Objetivo: Identificar e analisar produções científicas acerca das intervenções de terapeutas ocupacionais junto a idosos com “Demência de Alzheimer” que apresentaram alterações nas habilidades de desempenho. Método: Foi realizada revisão sistemática da literatura, no período de 10 anos (2006 a 2015), nos idiomas inglês, português e espanhol. Foram utilizadas como fontes de informação as seguintes bases científicas: Web of Science, MEDLINE/PubMed, CINAHL, PsycINFO®, LILACS, SciELO, OTseeker e PEDro. Para a busca, utilizaram-se os descritores “Doença de Alzheimer” e “Terapia Ocupacional”, que foram combinados com “comportamento”, “meio ambiente”, “cognição” e “suporte social”, utilizando os operadores booleanos “AND” ou “OR”. Foram identificados 13 artigos que atenderam aos critérios de seleção, tais como: publicações científicas relacionadas à doença de Alzheimer em idosos, que abordassem intervenções direcionadas às habilidades de desempenho, que tivessem participação de pelo menos um terapeuta ocupacional na autoria, e que não existissem restrições em relação à fase da doença. Resultados: Nenhum estudo nacional foi encontrado. As intervenções identificadas foram direcionadas à regulação emocional, habilidades motoras e processuais. Em sua atuação, os terapeutas ocupacionais utilizaram direcionadores de rotas, dispositivos de auxílio externo (calendários), assim como o uso de atividades no computador e estimulação multissensorial; como recursos terapêuticos que atestassem o efeito das intervenções no aprendizado motor, na orientação no espaço ou na diminuição dos sintomas neuropsicológicos e/ou das alterações comportamentais. Conclusão: As publicações estavam relacionadas às práticas interventivas para a melhoria na regulação emocional e na capacidade funcional do idoso. No entanto, os terapeutas ocupacionais brasileiros enfrentaram como desafio, a necessidade de publicar as intervenções para justificar tanto a eficácia de suas ações quanto sua inserção na prática profissional compartilhada, nos diferentes níveis de atenção à saúde do idoso.

Fim do conteúdo da página