Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Edições 2020 > IS nº 03 > DOADORES DE SANGUE
Início do conteúdo da página

COVID-19

Publicado: Quarta, 15 de Julho de 2020, 12h26 | Acessos: 140

INFECÇÕES POR CORONAVÍRUS; CUIDADOS DE ENFERMAGEM; ATENDIMENTO DE EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR; SEGURANÇA DO PACIENTE

066
MARQUES, Lorraine Cichowicz et al. COVID-19: cuidados de enfermagem para segurança no atendimento de serviço pré-hospitalar móvel. Texto & Contexto – Enfermagem [online], Florianópolis, v. 29, e20200119, 2020. Disponível em Scielo

Objetivo: descrever as ações realizadas por enfermeiros do serviço pré-hospitalar móvel antes, durante e após atendimentos e transferências de pacientes suspeitos e/ou confirmados para Covid-19 e as limitações encontradas por esses profissionais para diminuir a exposição à doença. Método: estudo descritivo-reflexivo acerca das ações realizadas por enfermeiros do serviço pré-hospitalar móvel de uma capital no Sul do Brasil para aumentar a segurança durante os atendimentos ou transferências de pacientes suspeitos e/ou confirmados para Covid-19. Resultados: o estudo permitiu refletir sobre a multidimensionalidade de ações necessárias para prevenção e controle da pandemia. Foram identificadas condutas para garantir a segurança instrumental nas unidades móveis, a segurança profissional e a segurança do paciente em atendimento pré-hospitalar móvel. Conclusão: por parte dos enfermeiros, identificou-se preocupação com a segurança dos profissionais e pacientes, uma vez que adotaram condutas para a prevenção e controle da pandemia mediante a utilização de equipamentos, materiais e preparo da ambulância. Aspectos subjetivos dos profissionais envolvidos devem ser considerados, como o preparo técnico e psicológico, sendo este um aspecto fundamental tanto para o atendimento à população como para a segurança do paciente e do profissional na exposição ao vírus. 


PANDEMIAS

067
FREITAS, André Ricardo Ribas; NAPIMOGA, Marcelo; DONALISIO, Maria Rita. Análise da gravidade da pandemia de Covid-19. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 29, n. 2: e2020119, 2020. Disponível em Scielo

068
LANA, Raquel Martins et al. Emergência do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e o papel de uma vigilância nacional em saúde oportuna e efetiva. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, [online], v. 36, n. 3: e00019620, 2020. Disponível em Scielo


PRECAUÇÃO; ISOLAMENTO DE PACIENTES

069
OLIVEIRA, Adriana Cristina de; LUCAS, Thabata Coaglio; IQUIAPAZA, Robert Aldo. O que a pandemia da COVID-19 tem nos ensinado sobre adoção de medidas de precaução?. Texto & Contexto - Enfermagem, Florianópolis, [online], v. 29, e20200106, 2020. Disponível em Scielo

Objetivo: analisar a pandemia da Covid-19 e o que temos (re)aprendido com a experiência mundial para adoção das medidas de prevenção preconizadas pela Organização Mundial de Saúde bem como o panorama epidemiológico no mundo, na América Latina e no Brasil. Resultados: a Organização Mundial de Saúde tem apontado que o caminho para a redução da velocidade de circulação do vírus, o controle e queda do número de casos e óbitos decorrentes dessa pandemia só poderá ser alcançado com adoção em massa de medidas fundamentais que incluem higienização das mãos, uso do álcool em gel, etiqueta respiratória, limpeza de superfícies, evitar aglomerações e distanciamento social. A curva epidemiológica da doença mostra claramente as proporções devastadoras na Itália, Espanha e nos Estados Unidos, superando a China em registros de óbitos, devido ao atraso na adoção dessas medidas. No Brasil, a progressão rápida em relação ao mundo e à América Latina aponta um importante aumento do número de casos. Conclusão: essa pandemia possivelmente é a mais grave da história recente da humanidade e seu curso pode ser influenciado pelo rigor na adoção de medidas comportamentais individuais e coletivas.

 

PROTOCOLOS CLÍNICOS; SAÚDE DA CRIANÇA; UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA

070
CARLOTTI, Ana Paula de Carvalho Panzeri et al. COVID-19 Diagnostic and Management Protocol for Pediatric Patients. Clinics, São Paulo, [online], v. 75, e1894, 2020. Disponível em Scielo

This review aims to verify the main epidemiologic, clinical, laboratory-related, and therapeutic aspects of coronavirus disease 2019 (COVID-19) in critically ill pediatric patients. An extensive review of the medical literature on COVID-19 was performed, mainly focusing on the critical care of pediatric patients, considering expert opinions and recent reports related to this new disease. Experts from a large Brazilian public university analyzed all recently published material to produce a report aiming to standardize the care of critically ill children and adolescents. The report emphasizes on the clinical presentations of the disease and ventilatory support in pediatric patients with COVID-19. It establishes a flowchart to guide health practitioners on triaging critical cases. COVID-19 is essentially an unknown clinical condition for the majority of pediatric intensive care professionals. Guidelines developed by experts can help all practitioners standardize their attitudes and improve the treatment of COVID-19.


QUARENTENA

071
BOTES, W. M.; THALDAR, D. W. COVID-19 and quarantine orders: A practical approach. South African Medical Journal, Cape Town, v. 110, n. 6, p. 1-4, June 2020. Disponível em Scielo

Quarantine is a very effective method for containing the spread of highly infectious diseases in large populations during a pandemic, but it is only effective if properly implemented. The co-operation and compliance of people entering quarantine are critical to its success. However, owing to the isolating and social distancing nature of quarantine, it often leads to extreme economic hardship and shortages in basic needs such as food, medicine, water and communication - and to the curtailment of certain universal social norms such as attending a parent's funeral. To escape these hardships, people often refuse to enter voluntary quarantine, or breach quarantine rules. In these circumstances, health authorities are obliged to act in the best interests of the public and obtain court orders to force some people into quarantine. In further extreme circumstances, when a national lockdown is ordered, non-compliance with quarantine measures may result in arrests and penalties. The scope of this article is limited to the period prior to and following such a lockdown, during which quarantine may still be vital for the containment of COVID-19. Because a quarantine order will deprive an individual of his or her freedom, this must be carefully balanced with the public interest. This article explains the legal and ethical considerations of this balancing exercise and provides practical guidance for obtaining quarantine orders.


UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA; SEPSE

072
MENDES, João João et al. Recomendações da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos e Grupo de Infeção e Sépsis para a abordagem do COVID-19 em medicina intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 2-10, jan./mar. 2020. Disponível em Scielo

A atual epidemia de COVID-19 foi declarada em 31 de dezembro de 2019 no mercado de frutos do mar da cidade de Wuhan, com rápida disseminação na China e, posteriormente, envolvendo múltiplos países (como maior expressão na Coreia do Sul, Japão, Itália e Irã) incluindo, desde 1º de março, Portugal. A maioria dos doentes infetados apresenta doença ligeira sem necessidade de hospitalização. Dentre os internados, de 6% a 10% necessitam de cuidados intensivos. As presentes recomendações visam facilitar a organização dos serviços de medicina intensiva para a resposta ao COVID-19, proporcionado os melhores cuidados aos doentes e protegendo os profissionais de saúde.

Fim do conteúdo da página